GOD SAVE THE BEER.

Blog

By in Eu tomei uma... 0

iniciando os trabalhos invernais…

Chegaram os dias frios, e sou daquelas que sigo as estações: no verão bebo cervejas leves como as sour e as witbier que adoro, e no inverno, as cervejas escuras e um bom vinho tinto.

A escolhida da vez foi a Stout da Cervejaria Cathedral. O nome surgiu por causa da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, que é um marco da cidade de Maringá, onde a Cervejaria surgiu. A Catedral tem uma arquitetura diferenciada e muitos vitrais, e como vocês já devem ter reparado, todos os rótulos da Cathedral são desenhos feitos como se fossem vitrais, um mais lindo que o outro.

basilica catedral-basilica-menor

O vitral é um tipo de vidro composto por pedaços de vidros coloridos ou pintados, é um elemento arquitetônico do estilo gótico.

vitrais

Olhem esses rótulos e vejam se não são de babar de lindos?

cathedral_beers

O termo “stout” foi utilizado no século XVII para cervejas que eram “fortes” e não necessariamente “escuras”, na época poderia existir uma “stout pale ale”, por exemplo.

Elas já chegaram a ser indicadas como tônicos por médicos da Inglaterra, devido a seu grande valor nutritivo. E eram tomadas de café da manhã por mineradores da Grã-Bretanha (acredito que esse foi o motivo do ícone utilizado no rótulo).

A Stout da Cathedral tem no seu cheiro e sabor final o café, pouco amargor (bom, ela tem 42 IBU, mas é incrível como o amargor não me incomoda tanto em cervejas escuras, como incomoda em claras, no meu paladar).

Ela tem tem a cor preta, sem transparências, e apesar de escura, achei suave, e graças a Deus, nada aguada.

É uma cerveja que se consegue tomar os 500ml da garrada tranquilamente, e se quiser até mais. Eu queria mais já,

Até o próximo gole,

Mari Jorge


GSTB-MariJorge-100x100 Mariana Jorge

Mamãe da Manu e designer gráfica. Adora viajar, comer e beber bem! Cozinha muito bem também, sendo sempre chamada de sous-chef do marido, mas às vezes quem faz o prato todo é ela mesma. A cerveja entrou tarde na vida dela, mas desde sempre quis coisas diferentes, as basiquinhas nunca conquistavam. Ama degustar uma cozinhando, quem não? Vai cozinhar e bebericar e falar de cerveja e comida e receitas e das meninas que adoram beber uma e maternidade? Sei lá, quem sabe. Site: jardimdoscaminhosquesebifurcam

 

Post navigation

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *