GOD SAVE THE BEER.

Blog

O coice, o bacon e o amargor

Quando eu disse no primeiro post que eu estava aprendendo a degustar cerveja, acreditem, estava mesmo. Eu nunca liguei muito, só bebia por quantidade. Aos poucos começo a entender os complexos sabores que as boas  – e verdadeiras – cervejas oferecem. É tudo muito diferente e tudo começa a fazer sentido, começo a harmonizar mais tranquilamente as beers com meus pratos e tenho gostado disso.

Passei na GOD SAVE THE BEER uns dias antes do recesso de final de ano, que também coincidiu com minhas férias e viagens pro interior, e peguei aleatoriamente uma garrafa, fui pelo nome, pelo rótulo legal. Lá, nos confins do estado enquanto conversava com amigos me lembrei da cerveja e desta minha humilde fotografia para o blog, o que eu faria para esta cerveja que tem um nome tão legal?

O rótulo me sugeriu carne vermelha, e tenho notado isso em muitos rótulos: sugestão de harmonização com carne vermelha. Mas por que carne vermelha é tão fácil de harmonizar? Por que todo mundo só pensa em carne de “boi”? Sim, eu gosto, muito inclusive. Carne vermelha é saborosa, fácil de fazer rápido e combina com tudo, inclusive, com muitas cervejas.

Mas quando você mistura vários sabores e texturas as coisas se tornam um pouquinho mais divertidas, mais ainda quando se harmoniza um prato complexo. Aí você vê minha foto e diz: – Ah Chef, mas feijoada é um prato simples!

Ledo engano, é complexo, tem várias texturas, vários sabores, inúmeros temperos, cada um com sua função de acionar cada uma de nossas papilas gustativas. O bacon, a cebola, o alho, forte e marcante, a couve amarga refogada na gordura pura e simples que fora extraída da fritura do bacon. O ácido do vinagrete nos faz esquecer da forte gordura das carnes suínas e por último, a laranja muito doce, que aqui em casa recebe um leve toque flor de sal e enaltece seu sabor e então, ao levar a cerveja na boca, aquele choque, um tapa na cara, um verdadeiro coice de cavalo, forte, amargo e que desce lavando a garganta e limpando os resquícios da gordura, o ácido e o doce, e nos deixa com vontade de começar o ciclo novamente, e foi isso que eu fiz, inúmeras e incontáveis vezes, até secar o copo, a garrafa e a panela.

GSTB-JAN-2016-2

Um abraço, boa mesa! Acompanhe meu site e meu trabalho em: www.umapitadadesal.com.br


GSTB-IlicilhoNetto-100x100 Ilicilho Neto

Trabalha com segurança da informação, mas estudou gastronomia no Espaço Gourmet e fez especialização na Universidade Positivo, atua como Personal Chef e vai estrear o programa Uma Pitada de Sal na TV, onde ensinará receitas e dicas gastronômicas. Fotógrafo com especialização em gastronomia, gosta de registrar os melhores pratos dos grandes restaurantes. Sites: www.umapitadadesal.com.br e www.fotogastronomia.com


Post navigation

2 comments on “O coice, o bacon e o amargor

  1. Mari Jorge

    Olha ela deve mesmo ficar boa com uma feijoada, pq pura, é dificil descer! pro meu gosto pelo menos, achei extremamente amarga!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *